crumble de maçã com amêndoa

Imagem

oh, céus! um potinho cheio de alegria e conforto esse crumble de maçã. não tem muita explicação. é só alegria doce. 

se você vem aqui sempre (e eu espero que sim!), você já deve ter percebido que eu não sou muito de doces. mas doces com maçã sempre me encantam. não sei, tem uma coisa de infância, com a consciência leve, e um cheirinho que sai do forno, e uma textura quase de geléia… muito amor pras maçãs. e ainda tem aquele ditado que diz que “uma maçã por dia traz saúde e alegria!”. aposto que também vale pra sobremesas com maçã! e você já viu a tarte tatin

Imagem

essa receita é beeeem facinha de fazer. e baratinha também. assim fica melhor ainda, né?

ingredientes:

  • 2 maçãs granny smith / verdes
  • 3 maçãs fuji ou gala
  • 1 xícara de chá + 4 colheres de sopa de açúcar mascavo
  • 3 colheres de sopa de açúcar
  • 150g de manteiga sem sal
  • 1 xícara de chá de farinha de trigo
  • 1 xícara de chá de farinha de amêndoa
  • 1 limão siciliano
  • 1 pitada de sal

Imagem

como faz: descasque as maçãs e corte em pedaços pequenos. para a maçã não ficar escura: conforme for cortando, coloque os pedaços em um recipiente fechado. coloque na panela as maçãs com as colheres de açúcar mascavo, açúcar refinado e o suco do limão siciliano. misture até o açúcar derreter e reserve. em um recipiente, misture com as mãos as raspas do limão, a farinha, o açúcar, a pitada de sal e a manteiga em temperatura ambiente cortada em pedacinhos. se você preferir, pode usar o processador. o objetivo é misturar bem até formar uma farofinha. coloque as maçãs e a calda na travessa (eu usei potes de diferentes formas e tamanhos) que você vai levar ao forno. depois cubra com a farofa-fá e leve ao forno médio-alto pré-aquecido. o meu demorou uma hora para ficar crocante, mas isso vai depender do seu forno! fique de olho, e quando estiver com aparência de crocante, retire do forno. deixe esfriar e sirva. que tal com um sorvete de creme como acompanhamento? yummy!

Imagem

Anúncios

polvo com tomates

Imagem

outro dia eu mencionei aqui uma viagem que eu fiz há 10 anos atrás pra espanha e como eu lembro de quase tudo que eu comi. a refeição que eu mais lembro foi em um restaurante numa pequena cidade de praia, com mesas comunitárias e onde o próprio dono nos atendeu. chegamos e pedimos pelo cardápio. ele respondeu que não havia cardápio, que o que eles tinham era o que tinha vindo do mar naquele dia. a partir daí, virou um banquete… panelinhas e frigideiras com peixes, frutos do mar, cozidos, fritos, assados, puros, espetaculares. era isso, comida na forma que eu mais amo. uma mesa grande, com comida fresca, simples e encantadora. esse dia foi marcante, e acho que daí se consolidou minha adoração por frutos do mar. eu lembro disso muitas muitas vezes, especialmente quando vou à feira comprar peixe e fico pasma com a variedade, formas, cores, tantas mil opções de preparo.

mas o ponto que eu quero chegar é o seguinte: sabe aquela história de que polvo é muito difícil de fazer? que tem que bater no polvo? congelar por não sei quantos dias antes de cozinhar? esquece! você só precisa de uma panela (nesse caso, de pressão) e do polvo. nem de sal você precisa. notícia boa, né? principalmente pra quem gosta de frutos do mar. vamos preparar um polvo então?

Imagem

 essa receita foi feita para 10 pessoas. o que é importante é o seguinte: o polvo reduz à metade depois de cozido. então se você comprar um polvo de 1kg, ele vai ter 500g depois de pronto. esse foi servido com batatas ao forno, mas também cai bem com um arroz de brócolis ou branco.  

ingredientes: 

  • 4kg de polvo
  • 5 tomates grandes e bem maduros
  • uma cebola roxa
  • um punhado de folhas de tomilho
  • uma xícara de chá de cheiro verde picado
  • páprica picante
  • uma cabeça de alho fatiado
  • azeite
  • uma cebola
  • uma folha de louro

Imagem

como faz: coloque o polvo na panela de pressão com a cebola descascada e a folha de louro. quando começar a dar pressão e sair a fumacinha, conte 10 minutos no relógio e pronto! yey! 🙂 continuando… tire o polvo da panela e deixe esfriar um pouco. enquanto isso, em uma panela grande, cubra todo o fundo com azeite, coloque o alho e o tomilho em fogo bem baixo. a ideia é que o azeite incorpore os sabores, mas sem fritar nada. corte o polvo em pedaços de aproximadamente 1,5cm. coloque na panela com o azeite. adicione o tomate cortado em cubos grandes, a cebola roxa fatiada bem fininha, pimenta moída na hora e a páprica. misture bem e deixe em fogo médio por uns 10 minutos. prove e corrija o tempero se precisar. adicione o cheiro verde e pronto! 

Imagem

 

 

gazpacho

Imagem

todo mundo faz cara feia pra alguma comida. eu faço cara feia para várias, coisas que você provavelmente nunca vai me ver cozinhando. mas, de tempos em tempos, eu vou lá e dou uma provada em uma ou outra, pra ter certeza (ou não) de que eu não gosto daquilo. porque você sabe, pega mal a pessoa que cozinha falar que não gosta e não come e não quer provar e sai pra lá.

eu tinha um problema com tomate. até alguns anos atrás eu não comia tomate cru. e tomate seco, nem pensar. hoje uma das minhas comidas favoritas é sopa de tomate. vai entender. mas o meu affair com o tomate seco durou 2 meses… porque ontem eu descobri que o danado é ultra mega hiper calórico. papo de 400calorias em uns 4 pedacinhos. juro, pode pesquisar.

pois bem, chega de conversa. esse post é pra celebrar o tomate, todos os seus benefícios, a sopa de tomate quente (em breve por aqui) e a fria, o gazpacho. aprendi a fazer essa com os meninos do ogrostronomia, achei super equilibrada, me encantei e já repeti algumas vezes. você pode deixar essa receita pronta na geladeira e servir quando quiser 🙂

Imagem

ingredientes:

  • 6 tomates grandes maduros
  • 1 cebola roxa
  • 1 pimentão vermelho
  • 1 pepino
  • gelo – uns 6 cubos
  • 4 dentes de alho
  • 1 pão francês amanhecido
  • azeite
  • sal
  • pimenta moída na hora
  • suco de meio limão siciliano

Imagem

como faz: coloque numa assadeira o tomate, a cebola e o pimentão sem sementes, todos cortado em cubos. regue com azeite, tempere com sal e pimenta e leve ao forno pré-aquecido por 40/50 minutos. coloque o pão em um pote com água e deixe amolecer por alguns minutos, escorra e reserve. descasque o pepino e retire as sementes. coloque no liquidificador todos os ingredientes. prove e corrija o tempero se necessário, agora é só servir!

panzanella

Imagem

olha, eu não sou muito de competições. não curto. tenho preguiça. deixo os outros ganharem. deve ser porque quando eu era pequena eu era ruim de competir e fiquei traumatizada. na verdade a única pessoa que eu gosto de competir é comigo mesma, uma coisa meio maníaca. então resolvi participar do desafio do mês do panelinha porque eu queria tirar uma foto bonita e, acima de tudo, provar a receita (lógico!). já adianto que deu super certo, que delícia! uma saladinha bem veranesca mesmo!

eu fui pesquisar um pouco e achei muuuitas variações. com alcaparra, sem pepino, com queijo, com pimentão, com anchova, enfim… você pode ir adaptando e fazer a sua versão favorita. a receita do desafio está aqui, mas vou copiar aqui embaixo também. 

Imagem

ingredientes:

  • 2 tomates bem maduros, sem pele
  • 4 a 6 fatias de pão amanhecido
  • 1 cebola-roxa
  • 1 pepino
  • um punhado de manjericão
  • 2 colheres (sopa) / 30 ml de vinagre de vinho branco
  • 6 colheres (sopa) / 90 ml de azeite extra-virgem
  • sal e pimenta-do-reino a gosto

Imagem

preparo: 1. Se a casca das fatias de pão estiver muito dura, corte-a. Coloque de molho numa tigela, cobrindo com água e 1 colher (sopa) de vinagre de vinho branco. Deixe o pão amolecer, mas sem excessos: não é para virar uma papa. Quanto tempo leva? Depende da consistência do pão. Retire da água, reserve. 2. Tire a pele dos tomates e corte-os em cubos, aproveitando inclusive a “água” que se desprende. Coloque-os numa saladeira. 3. Descasque e corte a cebola em rodelas bem finas; corte o pepino, também em fatias fininhas. Junte tudo aos tomates. 4. Rasgue o pão amolecido em pedaços pequenos, com as mãos. Adicione à saladeira. 5. Rasgue as folhas de manjericão e agregue. Tempere com sal, pimenta-do-reino, 2 colheres (sopa) de vinagre e uma generosa quantidade de azeite, no mínimo 6 colheres. Mexa bem, de modo que o pão absorva todo o azeite, o vinagre, o sal e a pimenta. 6. Cubra com filme e deixe na geladeira por 1 hora. Leve à mesa alguns minutos antes de servir, para que volte à temperatura ambiente.

 

 

abobrinha recheada com cottage e shiitake

Imagem

porque economizar calorias nunca é má idéia, né? abobrinha, cogumelo e cottage. tão light que eu fui até fazer as contas de quantas calorias tem nesse prato. tem menos de 100 calorias por porção. menos que um suco de laranja, minha gente! se joga na abobrinha, guarda uma caloria pro fim de semana, vai dormir de consciência leve, mas come feliz porque comer bem é uma das melhores coisas da vida.

 outro dia eu falei como a abobrinha é muito versátil. e fácil, né? essa receita é a mais sem mistério… vamos lá!

ingredientes:

  • 2 abobrinha grandes e gordas
  • 200g de shiitake limpo e fatiado
  • 250g de cottage
  • 1 punhado pequeno de tomilho
  • 1 colher de chá de 5 especiarias
  • sal e pimenta

Imagem

como faz: lave bem a abobrinha e corte as pontas. corte a abobrinha no sentido horizontal. com uma colher, retire as sementes. separadamente, misture os cogumelos, cottage, sal, pimenta, tomilho. recheie a abobrinha e leve ao forno pré-aquecido por +/- 1 hora. para ter certeza que está cozinha, espete um garfinho na abobrinha. boa redução de calorias pra você!

lasanha de abobrinha

Imagem

eu sei que agora tá rolando um alvoroço do tal macarrão de abobrinha. que aliás quando eu ouvi isso da primeira vez achei que a massa fosse feita de abobrinha e achei o máximo. mas não é isso. eu ainda não testei a abobrinha fatiada em forma de massa e cozida, mas eu gosto muito dessa receita com a abobrinha fatiada substituindo a massa da lasanha. eu sei, isso pode parecer estranho. mas eu tô pra ver um legume tão versátil quanto a abobrinha (a abóbora, talvez, mas nesse blog não trabalhamos com abóbora). depois de cozida, ela fica macia como uma massa comum, e vamos combinar que o gosto da lasanha está no recheio e não na massa, certo??

então abre essa cabeça, não faz cara feia e testa. dá uma chance. pensa que você vai comer uma lasanha delícia economizando bastante calorias. 

Imagem

ingredientes: 

  • uma abobrinha grande (de preferência grande e gorda)
  • 100g de de champignon
  • uma lata de tomate pelado
  • 4 tomates
  • 500g de carne moída
  • uma cebola média
  • 5 dentes de alho
  • 1 colher de café de noz-moscada em pó
  • mussarela fatiada (ou mussarela de búfala) – umas 8-10 fatias
  • sal e pimenta a gosto

como faz: em uma panela, refogue a cebola picada e o alho espremido. adicione a carne moída, mexa um pouco até ela perder toda a cor rosada. tempere com sal e pimenta. adicione o champignon, os tomates picados e o tomate pelado. em fogo baixo, deixe cozinhar por aproximadamente 50 minutos, sempre mexendo de 10 em 10 e cuidando para não grudar no fundo da panela. enquanto isso, fatie a abobrinha com um fatiador ou descascador de legumes. nos últimos 10 minutos, adicione a noz-moscada. prove e corrija o tempero se necessário. para montar a lasanha: em uma travessa, regue o fundo com um pouco de azeite, apenas o suficiente para a abobrinha não grudar. faça uma camada de abobrinha, depois outra de carne – eu gosto de tirar a carne da panela com uma escumadeira, descartando o excesso de molho, porque a abobrinha já vai produzir algum caldo enquanto cozinha, uma de mussarela, de novo de abobrinha e assim por diante. cubra a travessa com papel alumínio e leve ao forno médio pré-aquecido por 30 minutos. retire o papel e salpique um pouco de queijo ralado ou pedacinhos de mussarela por cima e deixe gratinar por mais 15 minutos. você pode substituir a mussarela por mussarela de búfala se preferir. essa receita serve 4 pessoas aproximadamente. 

massa com molho cremoso e cogumelos

Imagem

ou: a melhor receita “se vira” que eu já fiz. 

no dia 01 de janeiro, lá pelas tantas, bateu aquele fome demoníaca. sendo que não tinha sobrado nada da ceia a não ser um pote de farofa. hum. e a fome? demoníaca. baby, se vira. então eu tinha: cogumelos, creme de leite, uma massa, um resto do queijo, um resto de creme de leite, e tomilho. resolvi fazer uma massa com isso tudo, meio desconfiada que poderia sair uma grande gororoba que ia me envergonhar no primeiro prato do ano. apresentei, já com o prato montado, como “pasta com influências asiáticas”(??). para minha surpresa: sucesso!! êêêê!!! não tirei foto nem nada. gente, era 01 de janeiro, muita preguiça. 

então essa semana eu ouvi: por que você não faz aquele macarrão do primeiro dia do ano? refiz, com muito amor, anotei as quantidades, tirei foto. a única coisa que eu mudei foi o tomate. no primeiro, o tomate fazia parte do molho. nesse, o tomate vem separado, preparado no grill (você também pode tentar na frigideira sem virá-los). isso porque eu achei que o tomate merecia uma atenção, e que na verdade ele não era um ingrediente do molho, mas um complemento assim como as folhas de manjericão e o queijo, para serem misturada à massa na hora de comer. prometo que as próximas receitas não vão ter cogumelo, tá? 

Imagem

ingredientes: 

  • 200g de cogumelos shiitake
  • 250g de creme de leite fresco
  • 2 colheres de sopa de manteiga
  • 2 colheres de sopa de parmesão ralado e mais para servir
  • 2 colheres de chá de noz-moscada moída
  • 2 colheres de sopa de molho de gergelim
  • 2 colheres de sopa de cream cheese ou requeijão
  • 4 tomates italianos
  • um punhado de folhas de tomilho
  • folhas de manjericão para servir
  • sal e pimenta moída na hora

Imagem

como faz: coloque uma panela cheia com água para ferver. limpe seus cogumelos e corte o talos, depois fatie-os. e coloque a massa de sua preferência na água fervente com sal. m uma panela, coloque os cogumelos com as duas colheres de manteiga em fogo baixo. deixe por uns 5 minutos, até os cogumelos estarem mais macios. adicione o creme de leite e o cream cheese. misture bem, tempere com sal e pimenta à gosto e deixe em fogo baixo por mais uns 10 minutos. não esqueça da massa, hein! enquanto isso, prepare seus tomates. é só cortar em 4, temperar com sal, pimenta e azeite e colocar no grill. se você não tiver um grill, coloque-os na frigideira regada com azeite em fogo bem baixinho e deixe cada lado até ficar macio. na panela, adicione a noz-moscada, o molho de gergelim e o queijo ralado. mexa bem e deixe por mais uns 3 minutos. monte o prato: massa, molho, tomates em volta e manjericão ao centro e sirva com parmesão ralado. bom apetite!